Drogas, isqueiros, fones, fios e celulares em chinelos barrados em presídios da Croeste

Sexta, 10 Novembro 2017 04:20 Publicado em Oeste Notícias Ler 1007 vezes

Os flagrantes ocorreram com visitas de sentenciados nos municípios de Andradina, Irapuru, Marabá Paulista, Pracinha, Valparaíso, Presidente Venceslau, Lavínia, Assis, Junqueirópolis, Lucélia, Martinópolis e Riolândia

 

Neste final de semana, estabelecimentos prisionais subordinados a Coordenadoria de Unidades Prisionais da Região Oeste do Estado (Croeste) frustraram a inserção de objetos ilícitos nos presídios e que chegariam às mãos de sentenciados. As tentativas de driblar a segurança foram barradas durante os procedimentos de revista.




Sábado (04 de novembro)
Penitenciária “Anízio Aparecido de Oliveira” de Andradina – Para visitar o companheiro que cumpre pena na unidade, E.C.S.A. teve que passar pelo scanner corporal pelo qual foi detectada a presença de um objeto metálico na altura do tórax, do lado direito. Após ser indagada, a visitante afirmou que se tratava de uma moeda de R$ 1,00 e a entregou ao servidor responsável, sendo impedida de entrar e ficando suspensa do rol de visitas. 

Penitenciária de Irapuru
 – Duas mulheres foram impedidas de entrar na unidade prisional após passaram pelo detector de metais e este acionar. Elas acabaram confessando que traziam cada qual um invólucro inserido na genitália contendo maconha. A polícia civil e militar foi acionada e as visitantes encaminhadas à delegacia local, onde receberam voz de prisão em flagrante.

Penitenciária “João Augustinho Pannuci” de Marabá Paulista – A visitante C.T.S.Q, mãe do sentenciado L.S.B, tentou entrar na unidade prisional com uma sacola que continha em seu interior um maço de cigarro. No entanto, agentes perceberam que dentro deste maço o que havia mesmo era 01 (um) aparelho celular com bateria e chip. Assim, a mulher foi encaminhada para a delegacia de polícia local para procedimentos de praxe.  

Penitenciária de Pracinha – Ao passar pelo detector de metais, a visita C.J.S ouviu o aparelho sinalizar indicando que ela possuía algo metálico no corpo, o que a levou a confessar que trazia oculto em seu órgão genital (01) um telefone celular. No dia seguinte, outra mulher foi surpreendida da mesma maneira mas só confessou que trazia 01 (um) celular escondido depois que foi informada que seria levada à Santa Casa de Adamantina para passar por Raio X. Ambas foram encaminhadas à delegacia de polícia e suspensas do rol de visitas.

Penitenciária de Valparaíso – Através do Body Scanner, foi possível visualizar algo estranho no par de chinelos de duas mulheres que visitariam o presídio. Ao examinar de perto, agentes encontraram 02 (dois) aparelhos celulares e 04 (quatro) chips escondidos na sola dos calçados de uma delas e outros 02 (dois) celulares e 02 (dois) chips nos chinelos da outra. Ambas foram encaminhadas à delegacia de polícia para providências de praxe e suspensas do rol de visitas.

Penitenciária “Maurício Henrique Guimarães” de Presidente Venceslau (PII) – Duas mulheres foram impedidas de visitar os respectivos companheiros na unidade por tentarem burlar as regras de segurança. Uma delas estava com cinco bojos soltos dentro do top enquanto a outra trazia um isqueiro fora do padrão permitido e uma bala, também dentro do top.

Penitenciária “Luis Aparecido Fernandes” de Lavínia (PII) – Ao sentar no detector de metais do tipo “banquinho”, três mulheres foram surpreendidas com o apito do aparelho e confessaram que traziam na genitália objetos proibidos. Uma delas estava com 02 (dois) celulares, a outra com 01 (um) celular e (01) fone de ouvido. A terceira também trazia 01 (um) celular, mas precisou ser encaminhada ao Hospital de Mirandópolis para que um médico realizasse a retirada. Todas foram suspensas do rol  de visitas e encaminhadas à delegacia de polícia.

Domingo (05 de novembro)
Penitenciária de Assis – Ao inspecionar, por Raio X, a sacola trazida por uma visitante, servidores encontraram um pendrive em meio aos pertences. Mesmo alegando que o objeto pertencia a ela e que não tinha intenção de levar para o companheiro, conforme prevê as regras de segurança, a visita foi proibida de entrar. Após verificação, apenas músicas foram encontradas salvas no objeto.

Penitenciária de Junqueirópolis – Em meio a alimentos acondicionados em uma sacola de visitante, Agentes de Segurança Penitenciária encontraram um isqueiro contendo dois componentes de telefone celular do tipo autofalante, durante o procedimento de revista com aparelho de Raio X. Os objetos foram apreendidos, a mulher suspensa do rol de visitas e o sentenciado que receberia o material foi encaminhado preventivamente ao pavilhão disciplinar para apuração dos fatos.

Penitenciária de Lucélia – Durante o procedimento de revista para entrada na unidade prisional, a visitante V.S.O. foi flagrada pelo detector de metais tentando adentrar ao local com um invólucro na genitália contendo um micro celular. Do mesmo modo, outra visitante trazia inserido no ânus um invólucro contendo fios elétricos, massa epoxi, fone de ouvido, 07 (sete) chips e um frasco com tinta vermelha. Ambas foram encaminhadas à delegacia de polícia para providências e suspensas do rol de visitas. Os sentenciados envolvidos foram levados para o pavilhão disciplinar.

Penitenciária “Tacyan Menezes de Lucena” de Martinópolis – Ao realizarem os procedimentos de revista para dar acesso às visitantes no presídio, servidoras encontraram 06 (seis) fones de ouvido escondidos nas costuras de uma blusa de frio. A mulher foi suspensa do rol de visitas e o sentenciado, que receberia os materiais, irá responder a Procedimento Disciplinar.

Penitenciária “João Batista de Santana” de Riolândia – Com o uso do Body Scanner, agentes penitenciários perceberam que a visitante J.S.S. possuía algo oculto em seu corpo. A mulher então confessou que trazia no ânus 01 (um) invólucro contendo cocaína. Por este motivo, foi conduzida pela polícia militar à Central de Flagrantes de Votuporanga. O sentenciado irá responder a Procedimento Disciplinar.

Penitenciária “Vereador Frederico Geometti” de Lavínia (PI) – Após o acionamento do detector de metais da penitenciária, no momento da revista pessoal em duas mulheres, agentes indagaram as visitas sobre o porte de objetos ilícitos. Momento este em que cada qual confessou trazer inserido no órgão genital um invólucro com 01 (um) celular cada, entregando-os em seguida. A Polícia foi acionada e encaminhada à delegacia para lavratura do Boletim de Ocorrência.

 
Penitenciária “Asp Paulo Guimarães” de Lavínia (PIII) – Três mulheres foram flagradas pelo detector de metais do tipo “banquinho” ao tentar entrar na unidade com objetos ilícitos introduzidos na genitália. Cada qual trazia 01 (um) celular que teria sido entregue por pessoas desconhecidas nas cidades de Lavínia, São José do Rio Preto e São Paulo. Duas das visitantes afirmaram que os aparelhos seriam usados para pagar dívidas dos sentenciados dentro dos pavilhões.   
 
 
Vale lembrar que os visitantes flagrados são excluídos do rol de visitas e levados à Delegacia de Polícia Civil mais próxima, sem prejuízo de responderem na esfera criminal. Também é instaurado Procedimento Disciplinar para apurar a cumplicidade dos presos que receberiam os materiais podendo, ainda, ser instaurados Procedimentos de Apuração Preliminar para apurar supostas responsabilidades funcionais.
 
fonte: Croeste